sábado, 29 de abril de 2017

Critica: Guardiões Da Galáxia Vol 2 (Com Spoiler)


Bom dia Nerdópole, nosso amigo Macgaren escreveu uma critica Sobre Guardiões Da Galáxia Vol 2 em seu site o Novo clarim que você precisa conferir, e visite o site Novo Clarim para mais textos fascinantes sobre cinema, quadrinhos e tudo mais.

Quando o primeiro Guardiões da Galáxia estreou em 2014 pegou todo Mundo de surpresa: Com personagens praticamente desconhecidos até mesmo para leitores de quadrinhos, o filme foi um enorme sucesso de crítica, público e todos esses clichês. Então a continuação tinha o desafio de manter o nível e posso dizer desde já que conseguiu.

TEXTO COM SPOILERS MAIORES QUE A FOFURA DO BABY GROOT.



Os filmes de origem costumam ser mais “devagar” por precisarem apresentar os personagens, a formação da Equipe e detalhes do tipo. Guardiões da Galáxia Vol 2 (A partir daqui chamado de “GG 2”), sem essa “limitação” já te joga no meio da ação (No caso do Drax, DENTRO da ação) numa cena que, ao focar no Baby Groot  deixando a porradaria em segundo plano, numa cena que lembra a participação do Stan Lee em Amazing Spider-Man 1. Ou, para os fãs da Disney, me lembrou uma história do Pardal onde vemos, ao fundo uma segunda história acontecendo com o Lampadinha. A diferença é que aqui, o “Lampagroot” é o centro das atenções. Já por essa cena o filme já deixa claro sua intenção de não se levar a sério (mesmo que alguns portadores do “Tenisverdismo” levem)

A partir daí, vemos a aparição dos “Superiores”, ou como resolvi chamar; “Os Oscares”:  O povo que ganhou o primeiro lugar na competição onde o Surfista Prateado foi o segundo. E que vai ter a utilidade de cumprir a cota de vilão bosta do MCU.

E também, a primeira aparição do Ego que se revela o Pai desaparecido do Peter (Do Quill, porque do Pai do Peter Parker só sai história ruim)

Critica: Guardiões Da Galáxia Vol 2
A partir daí o filme divide os personagens e passa a explorar as diversas interações entre eles: A complicada relação da Gamora com a “Irmã” Nebulosa que é a mais desinteressante do filme. Drax com a recém chegada Mantis onde, por mais que o Drax fale o contrário, “Rolou um clima” Rocky e Yondu, Peter tentando se acostumar com a ideia de ter encontrado o Pai além das “Aventuras do “Baby Groot”.

De todas (Tirando o Baby Groot) O arco que mais gostei foi o do Rocket e do Yondu. Não só pelo Rocky mas porque o Yondu acaba tendo um bom destaque onde entendemos porque ele acabou ficando com o Peter, ao invés de entregá-lo ao Pai, como era originalmente o serviço dele. Tudo que vai preparando pro desfecho do personagem.

Critica: Guardiões Da Galáxia Vol 2

Sobre  o arco principal do filme também gostei mito. A relação do Peter com o Pai é bem mostrada e a gente sente, as dúvidas pelas quais passa o personagem. E quando o Ego se revela o FDP que é, podemos ver na expressão toda a decepção do personagem. Ponto pro Chris Pratt.

Em pelo menos dois momentos, personagens citam que eles são uma Família e, em maior ou menor grau, podemos ver isso em todas as relações entre personagens mas fica mais claro a relação entre o Peter e o Ego, com o Yondu “correndo por fora” afinal como dizem por aí, “Pai é quem cria” e é o que origina a cena mais emocionante do filme. Mas sobre isso falo mais pra frente.



Dos personagens novos, a Mantis ficou muito bem caracterizada. Nada é dito sobre ela ser a Madonna Celestial ou coisa parecida mas a personagem está muito legal. A interação dela com o Drax, os poderes enfim. Foi um belo acréscimo aos futuros filmes. E aqui cabe um jabá: Quem quiser saber mais da personagem nos quadrinhos, ouça o episódio do Inominata 616 onde falamos de tudo (ou quase tudo) sobre ela.

A Ayesha por outro lado é bem genérica. A única coisa relevante fica pra uma das cinco cenas durante os créditos que abre espaço pro Adam Warlock, outro conhecido personagem Cósmico finalmente surgir em futuros filmes.

Temos também o personagem do Stallone que, depois de muito mistério, acabou sendo Stakar Ogord, o Águia Estelar. Que nos quadrinhos é, junto com o Yondu, membro das primeiras formações dos Guardiões da Galáxia. Lá dos anos 60/70. O personagem aparece pouco mas ajuda a contar um pouco do Background do Yondu no filme.

E por fim, temos o Ego.Não é segredo que não acho os vilões do Marvel Studios mais fracos que macarrão molhado. Normalmente eles estão ali só pela obrigatoriedade de um antagonista e, quando não dão uma “desculpa” pra ele ser mau, acaba ficando raso. O que não é o caso com o Ego. Ele acaba se mostrando um bom vilão. Ok. Nada que se diga “Minha nossa! Mas que vilão!!!” Mas ainda assim, dado o nível dos outros ele se sobressai. Sem mencionar que é um dos personagens mais poderosos que já surgiram no MCU. Pô! O cara é um PLANETA!! E como já disse antes, gostei bastante da relação dele com o Peter. Só não gostei do fato de ter sido ele a “colocar” o Câncer na Mãe do Peter. Achei muito desnecessário e, por mais que ele seja um Celestial, muito forçado. Ainda se falassem que ela pegou Câncer pelo fato dele ser alienígena ou algo do tipo… Mas enfim. É coisa pouca. Ah. E achei que não iam mostrar  a versão Planeta do Ego mas felizmente mostram…e é F#$@!

Cabe também um elogio á equipe do filme que conseguiu montar os trailers sem contar nada da história. Diferente do vindouro filme do Aranha onde o último trailer lançado praticamente conta o filme todo, em GG 2, eles não revelaram pontos chaves da história. Tanto que eu não tinha ideia de que o Ego seria o vilão no filme. Apesar que, durante o filme você vai notando que ele não é flor que se cheire(Alguém ainda usa essa expressão?).



Dois dos grandes atrativos do primeiro Guardiões foram a trilha sonora e o humor. Nesse segundo filme, achei a trilha sonora inferior ao primeiro. Não sou um grande entendido em música mas sei quando uma me agrada. Depois do primeiro filme saí com as músicas na cabeça a ponto de, até hoje, estar com “Ooga Chaka Ooga Chaka” ressoando em looping na minha mente. Dessa vez não aconteceu. Se me pedirem pra assoviar algum trecho de alguma música eu não consigo pelo simples fato de não lembrar mais de nenhuma.

Já o humor, ele está em um nível MUITO elevado. Pro pessoal adulto que acha que bom são filmes “sérios” onde não dá pra ver nada na tela, pode incomodar. Pra mim que não vejo problema nisso, não incomoda pois é o estilo do filme e ele sempre se assumiu assim então, quanto mais piada melhor. Aliás, de todas as zilhares de piadas  somente uma me incomodou e achei forçada. De resto, nada a Reclamar. O Filme é divertido e colorido como um filme dos Guardiões tem de ser.

Mas não é porque tem piada que é infantil. O filme tem sua profundidade e dose de cenas emocionantes. Devo dizer que a morte do Yondu e o momento em que o Peter se dá conta que ele era a figura paterna que ele tinha fez meus olhos suarem um pouco (o Cinema tava lotado e quente…).

Claro que também não faltam referências no filme. O Capitão América ia ter um infarto assistindo esse filme. Não só referências ao Mundo Pop dos anos 80 tipo o Come-Come(Sim. Sou velho) ou a hilária participação do David Hasselholff como também gazilhões à própria Marvel Tem de tudo: De Howard, o Pato(De novo) aos Vigias. Aliás, os Vigias aparecem junto a uma das melhores participações especiais do Stan Lee meio que confirmando que o personagem vivido pelo Stan em todos os filmes do MCU é um só. Some a isso os Guardiões originais dos quadrinhos inclusive com o tão alardeado Michael Rosenbaum passando praticamente irreconhecível como Martinex,  citações, enfim. Dava pra ficar meia hora aqui citando todas.

Finalizando, Ainda acho o primeiro filme melhor pelo ineditismo que trouxe aquela grata surpresa. Mas Guardiões da Galáxia Volume 2 é muito bom: É maior, Mais insano, mais engraçado, tem um vilão melhor e acerta tanto nas cenas engraçadas, quanto nos momentos dramáticos. Com certeza vale a pena assistir. E que venha Vingadores Guerra Infinita.
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=N4vUgr34svI]



Reações:

0 comentários:

Postar um comentário