WHAT'S NEW?
Loading...

Podcast Post 038: Entrevista com o Podcast PanzerCast

Hoje é com muito orgulho que trazemos os mais novos amigos do Nerdópole, o Grupo do Panzercast vamos descobrir como trabalham, como se organizam, qual o foco principal do projeto tudo isso e muito mais agora em:



Entrevista com o Podcast PanzerCast:


Nerdópole - Nos diga, como tiveram a idéia de começar a fazer o Panzercast e como que os membros do podcast se conheceram e foram selecionados para o projeto?



Panzercast - O podcast nasceu quando o Felipe Parra e o Alexander “Chileno” Vasquez saíram de um primeiro projeto de podcast, onde não estava indo muito bem. O Tadeu “Barba” Rodrigues já era um amigo em comum (acabou participando do último episódio não lançado do podcast que não deu certo…) e ele morava em uma república na época, junto com o Alex “PV” Marques e sempre era frequentada pela dupla de “ex-podcasters” para assistir filmes “lado b” (qualquer vertente exploitation, asian gore, filmes franceses…) beber e fazer cerveja e falar sobre temas que normalmente não conversávamos em outras rodas de amigos, e tanto o Chileno quanto o Felipe estavam ouvindo muito podcast, e dessas conversas, bebedeiras e sessões de cinema nasceu o PANZERCAST, pois vimos que tínhamos uma boa afinidade, e que dessa vez o projeto iria pra frente. E outro marco importante foi poder conhecer pessoalmente a galera do Podtrash no Anime Friends 2013, onde não só viramos amigos, como fomos incentivados a tocar o projeto a frente e que sempre quando pudessem iriam nos dar uma força. E deu no que deu….



NP - Existe uma variação da duração de cada podcats, muitos duram quase uns trinta minutos de programa, existe alguma preocupação com ser mais breve?



PC - Acabou se tornando um consenso entre o grupo, pois existem alguns podcasts com uma duração muito longa (chegando a beirar as 3 horas!!!). E vimos que o que queríamos dizer não precisaria de muito tempo, e que com episódios de no máximo 40 minutos daríamos o nosso recado. E acredito que estamos atingindo nosso objetivo.


Podcast PanzerCast


NP - Como vocês escolhem o tema a ser discutido? Existe algum assunto que os membros do Panzercast mesmo gostando dele, acabam não gravando sobre?



PC - Escolhemos o tema que tenha alguma conexão com a nossa proposta, ou seja, em primeiro lugar nada que tenha a ver com o mundo pop atual, nada de novidade. Não que sejamos contra, mas já existe muita gente falando sobre os últimos lançamentos de filmes, games, quadrinhos…. Gostamos de coisas atuais sim, (eu Chileno sou o “nerdão ranzinza” do trio…). Mas procuramos falar sobre coisas que poucos se importam, mas que tenham a sua relevância. Pode ser sobre um filme europeu com uma pegada política, um fato histórico ou até sobre HQ, mas sobre um contexto diferente, uma abordagem nova. E com isso, nunca chegamos a gravar algo onde algum dos integrantes não estava de acordo, pois mesmo sendo 3 pessoas com personalidades e ideias distintas, temos muito em comum.

NP - Para que o podcast seja conhecido, quais os métodos usados para que o público dessa mídia conheça o Panzercast?



PC - O Facebook é uma das ferramentas onde mais divulgamos o Panzercast, pois a maioria dos nossos ouvintes se encontra nessa rede social. Outra forma é o Twitter e e-mails, pois existem pessoas que não tem profile em rede social (por incrível que pareça, hehehehe…..)



NP - Sei que vocês tocam em alguns festivais de rock, quem convive com vocês conhecem esse lado, como eles lidam com isso, ou eles também gostam dos assuntos que vocês discutem?



PC - O Felipe e o Barba são integrantes de bandas de Death Metal (Hippie Hunter) e Black Metal (Primordial Idol), já eu também sou fã do estilo, e por 15 anos era redator de uma revista de metal chamada Valhalla Metal Magazine (cheguei a ser correspondente internacional quando morei na Alemanha, durante 4 anos) e também gosto muito de ouvir o lado mais extremo do metal. A maioria dos nossos amigos dessa cena sabem do podcast, alguns não conhecem a mídia, mas por causa da amizade, acaba nos ouvindo e até descobrindo outros podcasts, e alguns acabam se tornando fãs e até participam em alguns episódios, então os “metaleiros” que nos conhecem gostam e apoiam o Panzercast.


 

Podcast PanzerCast


NP - Como surgiu a idéia do Regra de 3? Conte como funciona e qual o seu propósito, para quem não conhece.



PC - Surgiu de uma forma bem inusitada. Um dos nossos amigos, o Cauê, propôs o desafio de gravarmos um cast onde um tema aleatório seria proposto, e ele veio com a ideia das 3 palavras sem nexo nenhum, e disso nasceu o Regra de 3 (episódio 17 foi o primeiro). E com funciona: o ouvinte nos envia 3 palavras aleatórias, e dessas palavras, tentamos achar algo em comum entre elas, é bem divertido. Disso, queremos abrir um canal diferente com os nossos ouvintes, onde de uma forma simples, eles possam participar de um episódio do Panzercast.

NP - Sobre os feedbacks, vocês optaram por fazer leitura de e-mail e comentários fora do podcast normal, qual é a vantagem de se fazer um programa somente sobre eles? Como vocês escolhem a hora de o gravar?



PC - No início era feito no final de cada episódio, mas com o passar do tempo, vimos que não era uma boa ideia, pois ficávamos presos a ler os comentários, e isso iria aumentar a duração de cada episódio, sem contar que as vezes acabava fugindo um pouco do tema em si. Disso nasceu o Pombo Correio, mas como só gravar um episódio com leitura de e-mails e comentários seria muito chato, decidimos criar a “Cesta Básica” que nada mais é dicas de séries, filmes livros, documentários, hq’s e música, que para nós, tem uma certa importância. Nisso vimos que podemos dar uma atenção maior ao comentário recebido e poder gravar de uma forma mais descontraída, fugindo um pouco da nossa rotina.



NP - Uma coisa comum aos Podcasts é seus membros serem chamados para gravar uns com os outros, existe algum critério para vocês participarem da gravação de outro podcast?



PC - Não necessariamente, mas sempre somos chamados por termos alguma afinidade com outros podcasts, por exemplo, quando participamos do Podtrash, foi por causa do Felipe, que já era um ouvinte do programa, e quando conhecemos o pessoal no Anime Friends, o convite já havia sido feito, e assim o Felipe participou de alguns episódios, e o trio também chegou a gravar um episódio intitulado chorume sobre halloween (episódio 217 do Podtrash).O Barba chegou a participar de outros 2 podcasts da cidade de Sorocaba, o JuSvarn e o Interligados. E no Nerdópole o Felipe e eu também participamos. Sempre que existe um convite vem dessa forma: a afinidade no assunto e com o podcast em que fomos convidados.



NP - O tema do podcast pode influenciar na escolha das músicas na hora de trilhar o podcast ou não tem significado para a sua escolha?



PC - Nem sempre, mas já aconteceu de o tema influenciar na escolha da trilha. O Barba quando edita, sempre se preocupa em colocar uma música onde faz referência a pauta. O Felipe gosta de inovar quando edita, e sempre vem com uma ideia diferente, e o eu que comecei a editar recentemente o podcast, também procuro aos poucos colocar algo com uma certa relação. É isso que mostra que o podcast brasileiro se diferencia dos internacionais, onde a trilha faz parte do podcast, e não é só na ideia de vírgula sonora, e sim parte integrante de cada episódio.


Podcast PanzerCast


NP - Só uma coisinha, o que significa Panzercast? Sempre foi esse nome o escolhido ou tinha outros? Se tiver, tem como nos revelar quais seriam as outras opções, não querendo abusar, já abusando?



PC - O nome se originou de uma brincadeira entre os integrantes, onde a expressão “Panzer Evil” era usada para denominar algo muito nojentão, agressivo ou extremo em relação a música por exemplo, ou alguma atitude que algum de nós tomávamos. E como essa expressão fazia parte do nosso vocabulário diário, nada mais óbvio que usá-la para nomear o podcast. E de onde essa expressão apareceu? Ela vem de um título de um CD da banda Marduk (Panzer Division Marduk) e quando essa banda veio tocar em Sorocaba, um amigo nosso, o Maurinho, sempre que encontrava algum integrante da banda dizia “Panzer”, “Panzer”, Panzer”, pois estava muito bêbado, e só conseguia pronunciar essa palavra. E o significado da palavra “panzer” vem do alemão que significa tanque de guerra. Bem singelo, não?



NP - Alguma consideração final?



PC - Muitíssimo obrigado pela oportunidade dessa entrevista, e convidamos a todos os ouvintes do Nerdópole a dar uma passadinha no pzcast.blogspot.com.br e na fanpage no Facebook para nos ouvir e quem sabe participar de um Regra de 3, ou de um Pombo Correio?