terça-feira, 20 de maio de 2014

Robocop novo Robocop velho

Robocop novo Robocop velho


Um diretor brasileiro virou noticia ao dirigir um remake de um clássico do cinema, Robocop, José Padilha a mente por trás de tropa de Elite dirigiu o norte-americano Robocop, e todos ficamos esperando para ver o que ele colocaria na tela, o filme e realmente bom, melhor do que minhas respectivas, mas não e nada memorável, mas devemos levar em conta um bom trabalho brasileiro, para você que é mais novo, ou para você que é mais velho e já esqueceu, montamos hoje uma postagem comparando os filme clássico ao novo filme de Padilha.



jose-padilha-e-Paul Verhoeven



Abordagem


1987  A abordagem de Verhoeven o diretor do primeiro Robocop (originalmente escrita por roteiristas Edward Neumeier e Michael Miner) colocou forte ênfase na satirizando a cultura americana e ao mesmo tempo apresentava um corajoso e violento futuro de ficção científica de 2014:.


2014 Padilha, por outro lado, diminui a violência e os elementos satíricos,e se concentrar em questões filosóficas modernas, além de experiência existencial de Alex Murphy - como ele tenta reencontrar sua humanidade e manter relacionamentos pessoais, apesar de ser um homem preso dentro de um produto de alta tecnologia cibernética.



Satiras


1987: Satirizar a cultura de consumo norte-americano foi um elemento chave do RoboCop de Verhoeven, tanto em termos de humor na tela e o enredo. Além da antagônico Omni Consumer empresa de Produto, RoboCop também contou com comerciais de TV falsos.



Em um esforço para modernizar a premissa, RoboCop de Padilha aborda um dos temas mais complicados da América: Segurança Nacional. Consumismo é também um tema central, mas, com a inclusão de uma subtrama geopolítica e Samuel L. Jackson em um personagem que resume toda a rede de televisão que joga com os fatos ao seu favor.


familia-de-rocobop


 Família de Murphy


1987: A família Murphy não desempenha um papel significativo na RoboCop  - só mostra Alex Murphy como um homem de família regular. Depois do acidente de Murphy, tanto sua esposa, Ellen, e seu filho, Jimmy somem - aparecendo apenas em memórias de flashback. Ellen retorna em RoboCop 2, confrontando Murphy quando ela descobre a verdade sobre o programa de RoboCop, mas é rejeitado por seu ex-marido (para que ela possa realmente seguir em frente)



2014:. A dinâmica da família de Murphy é um aspecto fundamental de reinicialização de Padilha . É, na verdade, Clara (Abbie Cornish), que permite OmniCorp se inscrever Murphy no experimento RoboCop - na esperança de que ele um dia vai ser capaz de voltar para sua família. Antes da revelação pública de RoboCop ele visita a esposa, assim como o filho, David, enquanto ele luta para suprimir a programação da OmniCorp os dois são sua ancora na humanidade.


 robocop_12_lewis


Companheiro na Policia


1987: No filme de Verhoeven, Alex Murphy (Peter Weller) é transferido para o Metro West Departamento de Polícia de Detroit e tem uma simpático, policial feminina Anne Lewis (Nancy Allen) como companheira.


2014: Na reinicialização, Anne Lewis é. substituído por Jack Lewis (Michael K. Williams), amigo de longa data e parceiro de Murphy, que é ferido em um tiroteio com os traficantes de drogas que, depois, tentam matar Murphy



  A Morte


1987: No RoboCop original Alex Murphy está em patrulha com Lewis investigando um roubo em andamento - o que os leva a uma usina siderúrgica de idade. Depois de uma troca de tiros com uma quadrilha bem armada, o líder do grupo (Boddicker) disparam a mão de Murphy antes que os outros artilheiros desmembra-se seu braço inteiro e arrebenta o seu corpo a balas. Murphy morre - apenas para ser ressuscitado como RoboCop


2014: Depois de uma briga com um dos traficantes mais famosos de Detroit, tanto Murphy e Lewis se tornar alvos de retaliação, Em casa, o alarme no carro da polícia de Murphy dispara ao investigar o veículo, o carro explode. Murphy permanece vivo, em estado crítico, com o corpo seriamente danificado.


O Robô


1987: O RoboCop original foi baseada em uma abordagem mais "robótico" para desenhar, lento e duro (embora com força sobre-humana), e contou com um esquema de cores cinza / prata, brigas eram opções de combate primários de RoboCop. Os cientistas ainda conseguiram salvar o braço de Murphy, mas Morton os instruiu a substituí-lo de qualquer maneira - fazendo cara de Murphy a única parte orgânica que ainda é visível como RoboCop


2014:. Aproveitando robótica moderna e um futuro próximo cibernética, o RoboCop  de Padilha é muito mais ágil - mesmo capaz de saltar para o ar. Enquanto Murphy observa que "não há nada" de seu corpo humano, tanto o rosto e mão direita permanecem visíveis.Embora o cinza prata tradicional aparece no filme de 2014, RoboCop também ostenta um esquema de cores preto "tático".


Memorias


 1987: Depois de sua "morte", OmniCorp limpa a memória de Murphy, na tentativa de remover qualquer traço de sua antiga vida, a fim de limitar o conhecimento de seu assassinato, família e emoções humanas.


2014:. Na reinicialização, grande parte da memória de Murphy é deixada intacta; embora seus proprietários ajustar regularmente seus níveis de dopamina e substituir a atividade do cérebro com um sistema de computador automatizado.


 GOSTOU DO POST? ENTÃO COMENTA AE

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário