WHAT'S NEW?
Loading...

Que Cassete é Este?

Você com certeza não sabe pelo menos se nasceu na década de noventa e lá era criança, mas um dos objetos mais usados entre oitenta e fim de noventa foi a fita cassete.


E que cassete era este?


Lançada em 1963 pela empresa conhecida por Philips (bom pelo menos seus produtos foram muito conhecidos no passado) o Cassete era uma fita magnética presa a um rolo de plástico encerrada em uma caixa, também de plástico como mostra a foto.


fitacassete2



Funcionando inicialmente em aparelhos da Philips o cassete foi usado inicialmente para ditados, para gravação exclusiva da voz, jornalistas e professores, e por esta razão a qualidade era muito baixa.


Porem como a musica se tornou mania depois de 65, os criadores viram no cassete o meio ideal de reproduzir musica, posto que fosse algo portátil diferente dos discos e fitas já existente no momento.


O aparelho criado para este papel ainda era, por assim dizer grande, e foi com o Walkman da Sony na década de oitenta que tudo ficou ainda melhor, agora o aparelho não era muito maior que a fita podendo ser levado no bolso.
“Causando assim muitas expulsos de salas de aula”


walkman


Como a fita era facilmente regravável e os aparelhos, pequenos e grandes vinham com esta função (eu mesmo gravei muita “rádio” no gradiente da minha mãe) começou a ser criado um movimento de grave sua banda e me mostre a fita, lógico com uma qualidade muitas vezes péssima.
Mas assim o cassete ajudou o underground rock e punk.


A fita tinha trinta minutos de duração e a ultima que eu me lembro de ter comprado foi dos Mamonas assassinas.


Certa vez já morando em São Paulo eu mandei para amigos no Piauí um


aparelhoscassete


A fita cassete gravada contando tudo que eu queria e desejando felicidades.


Bem ou mal na década de 1990 as fitas começaram a ser superadas pelos CDs, que tinha uma qualidade indiscutível, porem este agora não tem a facilidade de gravar em qualquer canto e em qualquer lugar e a graça se perde um pouco.


Às vezes e por sentir falta das fitas que eu gravo Podcast...


Tom Marcos